Casa do Futuro sem previsão de obras

Casa do Futuro sem previsão de obras

A construção da Casa do Futuro na Concha Acústica, no bairro de São Domingos, em Niterói, ficou para depois. De acordo com a Enel, concessionária responsável pela ação, o projeto está sendo reestruturado, e ainda não há previsão para o início das obras. Porém, questionada, a empresa não explicou o motivo da revisão. As obras deveriam ter começado no fim do ano passado.

A unidade integraria o NO.V.A. (Nós Vivemos o Amanhã), um projeto de Pesquisa e Desenvolvimento da concessionária em parceria com a Prefeitura de Niterói. A ideia surgiu em novembro de 2014, com a criação de uma plataforma de crowdsourcing, onde pessoas de todo o mundo podiam contribuir com sugestões sobre como imaginam a casa.
Em agosto de 2015, as ideias foram reunidas e resultaram no projeto arquitetônico, desenvolvido pelo escritório de arquitetura Studio Arthur Casas. A residência tinha como objetivo mostrar um projeto sustentável, com redução de 85% no volume de resíduos e em 80% a emissão de carbono em comparação com uma casa tradicional. Também constava no antigo projeto a utilização de materiais inovadores, como madeira com alta capacidade de isolamento térmico e tintas antimanchas com capacidade de isolamento acústico.

Em dezembro de 2015, o prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, assinou o termo de cessão de parte do terreno da Concha Acústica, em contrapartida, a concessionária se comprometeu a reformar três praças da cidade. De acordo com a Enel, duas das praças já foram inauguradas, a Praça João Saldanha em Santa Bárbara, entregue em fevereiro deste ano, e a do Descobrimento em Piratininga, que foi aberta ao público em janeiro. A Praça Levir Francisco, no Largo da Batalha, ainda receberá as intervenções, porém ainda não há data definida para a entrega.

A Casa do Futuro seria a primeira unidade do mundo funcionando como um “living lab”, onde as pessoas cooperam vivendo no local e testando diariamente as soluções inovadoras, as tecnologias e seus impactos na vida cotidiana e nos hábitos de consumo. Entre as tecnologias que estavam planejadas para equipar a casa, estão máquinas para medir o consumo de água e energia em tempo real, dispositivos de monitoramento de saúde dos moradores, bancadas interativas com acesso à internet, entre outros.

Fonte: http://www.ofluminense.com.br