Ciclovia: mar leva mais um trecho

31fe-calC3A7adC3A3o-165380
Ciclovia: mar leva mais um trecho

Já chega a cerca de 300 metros o trecho do calçadão e da ciclovia da Macumba, que desmoronou com a força das águas

A força da água provocou o desabamento na manhã desta segunda-feira (9) de mais um trecho do calçadão construído na Praia da Macumba, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, desmoronando a ciclovia situada sob a calçada.

Esta é a terceira vez que cai o trecho do calçadão da Praia da Macumba, localizado no Recreio dos Bandeirantes. Na primeira vez, em 4 de outubro deste ano, o mar estava de ressaca e o desabamento, que também afetou a ciclovia da região, chegou a ferir sem gravidade uma pessoa que passava pelo local. 

O segundo desabamento ocorreu no último dia 15 de setembro, ocasião em que as condições do mar eram normais e não havia ressaca. Moradores, no entanto, admitem que o calçadão da Praia da Macumba, construído há mais de 15 anos, vem enfrentando problemas há algum tempo.

Os desabamentos do calçadão que vêm ocorrendo com relativa frequência, quase um ano e meio depois que, às vésperas dos Jogos Olímpicos Rio 2016, um trecho da Ciclovia Tim Maia desabou matando duas pessoas.

Ciclovia Tim Maia – Inaugurada há menos de quatro meses da tragédia, no dia 17 de janeiro, a obra havia custado aos cofres públicos R$ 44 milhões. Apesar do elevado custo desembolsado pela prefeitura da cidade, a obra não resistiu à ressaca que atingiu a orla e cujas ondas atingiram o chamado Costão do Vidigal, derrubaram um trecho de cerca de 20 metros de ciclovias tragando duas pessoas – inclusive um ciclista que aproveitava o domingo de sol para a prática do seu esporte preferido.

Identificado como Eduardo Marinho Albuquerque, de 54 anos, era morador de Ipanema, na Zona Sul do Rio e deixou mulher e um filho de 15 anos. Segundo frequentadores e motoristas que passavam pelo local no momento da tragédia, ele foi atingido por uma forte onda que, além de destruir o local, também quebrou o para-brisa de um ônibus que trafegava pela Avenida Niemeyer.

Na ocasião, tanto o secretário executivo de Governo, Pedro Paulo Carvalho, como o prefeito, à época Eduardo Paes, classificou o acidente como imperdoável. “É imperdoável o que aconteceu, já determinei a apuração imediata dos fatos, e estou voltando para o Brasil para acompanhar de perto”, disse o prefeito, que encontrava-se fora do país. 

Com o desabamento da manhã desta segunda, já chega a cerca de 300 metros o trecho do calçadão e da ciclovia da Praia da Macumba, que desmoronou com a força das águas e teve que ser interditado pela prefeitura.

No desabamento do dia 4 de outubro, o próprio secretário de Conservação e Meio Ambiente do município, Rubens Teixeira, admitiu que a obra foi malfeita e que, desde meados de setembro, técnicos da prefeitura estudam a melhor solução para refazer o calçadão. 

Segundo ele, “a estrutura não foi estaqueada e não foi considerado o efeito das ondas tirando areia e descalçando o muro. Em alguns trechos o muro ficou, mas a areia foi retirada pela maré. Houve falha na execução. Estamos em reuniões com a Geo-Rio, Rio Águas e Coppe para buscar uma solução para a obra”.

O secretário admitiu que a obra, com menos de 15 anos de construção, vem apresentando problemas há anos. Procurada pela Agência Brasil em face deste último desabamento, a Secretaria de Conservação e Meio Ambiente, em nota, disse que enviará uma equipe ao local “para avaliar os novos danos e reforçar o isolamento da área atingida”. 

“Ressaltamos a importância de os frequentadores respeitarem os limites de interdição, para evitar acidentes. Um grupo de estudos da Seconserma, em parceria com a Rio Águas e a Geo Rio, finalizará esta semana estudo que definirá a maneira mais adequada de recompor o trecho atingido”, explica a nota. 

Fonte: http://www.ofluminense.com.br