Educação define metas em Macaé

Educação define metas em Macaé

A Secretaria Municipal de Educação termina 2017 entregando novas escolas e abrindo duas mil novas vagas. O resultado positivo deste trabalho foi um dos temas da última reunião do ano entre o secretário da pasta, Guto Garcia, e os diretores das escolas do Ensino Fundamental e Educação Infantil, realizada na Cidade Universitária essa semana. Apresentação das metas para o ano letivo de 2018 e prestação de contas do ano de 2017 foram assuntos abordados durante o encontro. Cerca de 300 profissionais estiveram nas duas reuniões.

Com as novas escolas, o município pretende que os alunos estudem perto de casa, desafogando, assim, as unidades da área central. Na reunião, o secretário também apresentou o calendário letivo de 2018, que terá 202 dias de aulas, incluindo dois sábados.

“O ano letivo 2017 foi encerrado com inaugurações de novas escolas: a Escola Municipal Zélia de Souza Aguiar, dentro do Espaço Cultural das Malvinas, para 200 alunos e a Escola Municipal de Educação Infantil Dr. Juventino da Silva Pacheco, no Estádio Cláudio Moacyr de Azevedo, que vai atender cerca de 600 alunos na faixa de dois a cinco anos. Em janeiro de 2018 serão inauguradas escolas nos bairros Visconde, Miramar e Lagomar”, destacou o secretário.

Segundo Guto Garcia, o objetivo é atender dois mil novos estudantes e reforçar a meta de propiciar ambientes amplos e adequados para avançar o processo ensino-aprendizagem. Colocar todas as crianças acima de dois anos na escola é outra meta do governo, que está sendo cumprida com as inaugurações de escolas para educação infantil. “Todos os alunos da rede municipal a partir de três anos são assistidos integralmente. A meta é que os alunos na faixa de dois anos, que hoje são 85% atendidos, também seja de 100%. A expectativa é o ingresso de todas as crianças na faixa de dois anos na escola”, disse.

O secretário acrescentou que o Colégio de Aplicação (CAp), da prefeitura, será ampliado, iniciando, a partir de 2019, o atendimento também para os alunos do Ensino Fundamental 2, sexto ao nono anos, inicialmente com 120 vagas nas quatro turmas no Colégio Maria Isabel. “O Colégio Municipal Maria Isabel Damasceno Simão (Centro) irá se tornar Colégio de Aplicação (CAP) de Ensino Fundamental 2. Além do CAP de Ensino Médio, agora a Educação criará uma outra unidade de CAP do Ensino Fundamental 2 – do sexto ao nono ano, que será o Colégio Maria Isabel. O CAP Ensino Médio continua no mesmo lugar, da mesma forma, nada muda. O Maria Isabel se tornará um colégio de excelência iniciando com quatro turmas do sexto ano”, explicou.

Fonte: http://www.ofluminense.com.br