Marquês de Paraná: demolições à vista

img1114-165989
Marquês de Paraná: demolições à vista

Alguns dos prédios que serão demolidos na região ainda possuem moradores e comércio em funcionamento

Foi dado o pontapé inicial para o começo das obras de alargamento da Avenida Marquês do Paraná, no Centro de Niterói. Depois de assinada a ordem de início para a intervenção no último dia 22, nesta segunda-feira (4), equipes da Empresa Municipal de Moradia, Urbanização e Saneamento (EMUSA), da Prefeitura de Niterói, começaram a trabalhar no prédio de esquina com a Rua Dr. Celestino. A previsão é que a demolição dos três edifícios necessários seja finalizada em quatro meses. 

No início dos trabalhos, duas construções na importante avenida começaram a ter suas portas e janelas removidas. No prédio vermelho de esquina entre as duas ruas, todos os moradores já deixaram os imóveis, que estão livres para serem operados. Segundo os funcionários, todo o trabalho de retirar a fiação e as portas seria terminado nesta segunda, e nesta terça (5) uma equipe passaria recolhendo o material. De acordo com a Prefeitura de Niterói, apenas após a conclusão deste serviço, uma equipe começará o trabalho na fachada do prédio, que receberá uma tela protetora.

Para evitar impactos negativos no trânsito nesta área, os caminhões para a retirada do material estarão no local entre 9h e 15h. No edifício ao lado, dois apartamentos continuam ocupados. 

O projeto, que visa melhorar o fluxo de veículos e a mobilidade na região, pretende construir mais duas pistas na via, além de uma ciclovia que ligará Icaraí ao Centro. Para que a ideia saia do papel será preciso demolir pelo menos três prédios da Marquês do Paraná. O objetivo é resolver um dos principais gargalos do trânsito da cidade.

Com a intervenção, uma outra faixa de rolamento será criada para desaceleração dos veículos que desejarem acessar um shopping que será construído às margens da Marquês do Paraná. O empreendimento também prevê duas vias internas na área de acesso ao shopping para evitar impacto no trânsito.

O projeto da Prefeitura de Niterói também inclui a reurbanização do local até a Avenida Amaral Peixoto, com calçadas dentro das normas de acessibilidade e uma nova praça sobre o mergulhão Ângela Fernandes. A obra será a primeira realizada com recursos obtidos através do modelo de outorga onerosa, que financiará ações do processo de requalificação do Centro. Serão utilizados R$ 11,8 milhões, dos R$ 14 milhões já pagos por investidores que tiveram seus projetos aprovados para a região central da cidade. A entrega será no segundo semestre de 2018. 

Fonte: http://www.ofluminense.com.br