Oficina no evento MultiGourmet revela os segredos do bacalhau

Romeu Valadares contou como começou o uso do peixe na culinária. Fotos: André Redlich
Oficina no evento MultiGourmet revela os segredos do bacalhau

Colunista de enogastronomia de O FLUMINENSE fala de histórias e inspirações. De acordo com o especialista, o segredo dos pratos é bastante azeite de boa qualidade

O chefe de cozinha e colunista de enogastronomia de O FLU Revista, que circula aos domingos na edição de O FLUMINENSE, Romeu Valadares, foi quem comandou a oficina deste sábado do evento gastronômico “MultiGourmet – Edição Pais”,

que acontece às sextas, sábados e domingos no Shopping Itaipu Multicenter, até 17 de agosto. Ele ensinou a fazer o prato “Punheta de Bacalhau” e produziu um patê de bacalhau, inspirado no prato italiano “Bacalhau Amanteigado”.

De acordo com o especialista, o segredo dos pratos é bastante azeite – de boa qualidade. Romeu contou ainda curiosidades sobre o uso do peixe em diversos países e falou da origem da culinária com o bacalhau pelos escravos e em Portugal. Também ressaltou o fato de que atualmente a pesca do peixe tem sido feita de forma indiscriminada, o que fez com que o bacalhau diminuísse de tamanho e qualidade.

“O maior bacalhau já encontrado media dois metros. Hoje, o maior deles mede entre 50 e 60 centímetros, porque estão pescando fêmeas. Foi assim até a Noruega intervir”, relatou o cozinheiro.

Romeu, que também é jornalista e colabora com revistas estrangeiras, é muito envolvido com o universo dos vinhos. Ele dá consultoria para restaurantes e cozinha, eventualmente, para pequenos grupos. Na oficina, recomendou as bebidas que mais combinavam o prato de bacalhau e trouxe dois instrumentos diferentes dos usuais de uma cozinha, vindos do exterior: um para auxiliar na defumação do bacalhau e outro que corta os legumes uniformemente. Segundo Romeu Valadares, as duas ferramentas são muito práticas na sua culinária.

Tem cabeça – Outra informação revelada pelo cozinheiro foi quanto aos pedaços de bacalhau usados em diferentes partes do mundo, entre eles, a cabeça, que é a que contém a carne mais macia. Ele contou que até a pele é frita e servida no café da manhã na Islândia.

Para o consultor, o evento, que é apoiado pelo Grupo Fluminense, é uma bela iniciativa em conjunto com o shopping, pois tira o cozinheiro do seu ambiente, sempre isolado, na cozinha, e o traz para perto do público, sem a pressão de estar diante dos clientes do seu estabelecimento, como acontece no dia a dia de um chef.

“A receptividade foi muito grande. O público ficou até o fim e tirou dúvidas. Eles gostaram do que viram e provaram”, disse.

Antes da degustação, a plateia participou de um sorteio de aventais de OFLUMINENSE, entre outros brindes.


O Fluminense


Fonte: http://ofluminense.com.br