Procissão percorre as ruas do Centro

mg8001-163791
Procissão percorre as ruas do Centro

Procissão saiu da Catedral São João Batista no Centro de Niterói

A celebração pelo feriado religioso de Sexta-Feira Santa lotou neste dia 14 a Catedral de São João Batista, no Centro. A missa foi realizada pelo arcebispo de Niterói, Dom José Francisco Rezende Dias. Após a celebração cerca de 300 fiéis seguiram em procissão conduzindo a imagem do Senhor Morto. Eles caminharam pelas ruas Luiz Leopoldo Pinheiro, Coronel Gomes Machado, Visconde de Sepetiba e, por último, São João. Hoje, Sábado de Aleluia, os católicos vivenciam a espera da Ressurreição de Jesus, tendo a partir das 20h, na Catedral São João Batista, a Vigília Pascal. A celebração começa pela bênção do fogo e do Círio Pascal, uma grande vela que representa a luz do Cristo ressuscitado. 

No domingo de Páscoa, é marcado o início do período Pascal para a Igreja, durando 50 dias e encerrando-se com a Festa de Pentecostes. Na Catedral, santas missas serão celebradas às 7h, 10h e 18h30. Ao som de cânticos, e orações, os fiéis fazem o trajeto. É um momentos de fé, sacrifício e meditação.

Para o arcebispo Dom José Francisco Rezende Dias, a celebração da Semana Santa é um momento importante na vida da igreja. “Nós celebramos os mistérios centrais da nossa fé. Os mistérios da paixão, morte e ressurreição de Jesus. Começamos na quinta-feira com a celebração da Ceia do Senhor, ontem com a ação litúrgica da Paixão, celebramos a sua morte e hoje com a Vigília Pascal vamos celebrar com a alegria essa explosão de festa pelo mistério da Ressurreição. Jesus, Nosso Senhor e nosso Deus, passou pela morte e ressuscitou trazendo para todos nós a vida nova. Este é o grande mistério que nós celebramos na Semana Santa”, explicou.  

A professora Fernanda Araújo, de 49 anos, disse que todo ano ela e sua família participam da celebração. “Há mais de 10 anos eu frequento essa missa. Nós buscamos estar em comunhão sempre, mas hoje é um dia especial. Celebramos um momento único na história da humanidade. Eu sempre venho com meu esposo e trago a minha filha de sete anos. Acho importante que ela saiba o significado deste dia para as nossas vidas. Estamos vivenciando momentos muito difíceis em nossa sociedade. Então, acredito que nossa fé é um saída para muitos problemas”, explicou. 

A dona de casa Beatriz Fonseca, de 56 anos, estava bastante emocionada. Segundo ela, esse é um momento muito importante na vida de quem é católico ou não. “Independente da religião que a pessoa segue, nestes dias a gente celebra a morte e ressurreição daquele que nos criou. Isso para mim é prazer sem comparação. Eu venho na missa, participo da celebração. Faço tudo com muita alegria e respeito”, finalizou. 

Fonte: http://www.ofluminense.com.br