Risco de acidentes no Terminal rodoviário

d1fd-carros-no-terminal-img7088-163429
Risco de acidentes no Terminal rodoviário

Administração do terminal informou que não tinha ciência do problema

O estacionamento de veículos particulares nas baias destinadas aos ônibus no Terminal Rodoviário Presidente João Goulart, no Centro de Niterói, tem chamado a atenção de quem circula pelas plataformas de embarque de ônibus. Os relatos são de que motoristas de carros e motos tem usado o local para deixar seus veículos em diversos momentos do dia. Condutores dos ônibus e de passageiros temem acidentes. 

Um motorista de uma das linhas que circula pelo Terminal contou que os carros parados se tornam um problema nos horários de rush, quando muitos coletivos saem e entram no local. 

“Pode parecer besteira, mas em horários de movimentação, no final da tarde, começo da noite, as baias chegam a ficar engarrafadas, e os ônibus precisam manobrar. Quando tem carro parado assim, às vezes fica difícil”, comentou. 

A aposentada Maria de Lourdes Silveira, de 67 anos, afirma que o problema é recorrente e pode causar acidente ou congestionamento. 

“Sempre vi carro parando aqui nos fins de semana. Agora, mesmo durante a semana, eles não tem vergonha de estacionar aí. É uma bagunça, e ninguém fiscaliza. Mais do que engarrafar porque os ônibus precisam manobrar ainda mais para passar na baia, o medo é que algum ônibus acabe batendo no carro”, criticou. 

Em nota, a Teroni, empresa que administra o espaço, admitiu que esse tipo de estacionamento é irregular e alegou que a administração não tinha tomado conhecimento de tal fato. A concessionária informou que fará “uma apuração rígida para saber quem cometeu tal irregularidade”. 

A nota da empresa diz, ainda, que “tem certeza de que o estacionamento irregular ocorreu num período curto, pois nossa fiscalização têm instruções claras para não permitir estacionamento de veículos nas baias, ainda mais nas rótulas. Apuraremos, inclusive, se houve falha de algum funcionário incumbido pela fiscalização da área”. 

Fonte: http://www.ofluminense.com.br