Um registro na telona

foto-horizontal_164-165950
Um registro na telona

Com direção estreante de Gian Ciminell, “OSA – O Filme” comemora os 10 anos da orquestra com entrevistas, bastidores, histórias de alunos e muita música

 

A Orquestra Sinfônica Aprendiz (OSA), programa educativo-cultural que desde 2007 é responsável pela inclusão de jovens da rede pública de ensino no mundo da música, virou tema de filme. O Reserva Cultural Niterói foi escolhido

como local de lançamento, que terá duas sessões de estreia. Uma para convidados, neste sábado (2), às 11h, e outra aberta ao público na quarta-feira (6), às 12h.  

O longa, de título “OSA – O Filme”, comemora os 10 anos da orquestra, com entrevistas, bastidores, histórias de alunos do programa e, claro, muita música. Segundo Luiza Carino, diretora executiva do Instituto de Memória Musical Brasileira (IMMuB), o repertório foi escolhido a dedo juntamente com a coordenação pedagógica para trazer o melhor da música brasileira para as telonas. Canções de compositores como Gonzaguinha e Alberto Nepomuceno foram eternizadas pelos instrumentos dos mais de 50 músicos da orquestra, além da peça “Rapsódia Niteroiense”, composta especialmente para o filme pelo ex-aluno do projeto e pianista Eduardo Louro.  

“Desde janeiro deste ano, os meninos já começaram a ensaiar com um cronograma mais extenso para dar conta do repertório longo. As filmagens começaram em maio no Teatro Popular Oscar Niemeyer, que durou dois dias. Um dia de montagem e um dia de gravação. Em um dia gravamos tudo, passamos um dia inteiro no teatro”, lembra Luiza.  

A diretora comenta que, inicialmente, quando o projeto foi proposto, a ideia era fazer uma turnê e o lançamento de um CD da orquestra. Só que, quando começaram a pensar o processo de produção, a equipe viu que o ideal seria um registro audiovisual através de um filme, para conseguir uma divulgação mais ampla do projeto. 

O filme contou com o patrocínio do Instituto CCR, da empresa Statoil e da Prefeitura de Niterói, que até 2011 geria o Programa. 

“O Programa Aprendiz existe na cidade de Niterói desde 2001, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação com a Secretaria Municipal de Cultura. Ele era gerido pela prefeitura até 2011. A partir daí, elas decidiram passar essa gestão para uma organização privada, foi quando o IMMuB entrou, porque tinha tudo a ver com a nossa missão”, enfatiza Luiza. 

Com direção do cineasta estreante Gian Ciminelli, que já fez vários projetos institucionais para o IMMuB, a gravação do espetáculo contou com a parceria da equipe do Teatro Popular Oscar Niemeyer, uma equipe de cinco câmeras, além de uma outra unidade de direção que acompanhou os jovens no camarim.  

Ao longo do primeiro semestre, antes e depois da gravação, o Gian e sua diretora assistente Paula Monte frequentaram a Sala Aprendiz várias vezes, para registrar ensaios, cenas do cotidiano dos jovens e um concerto beneficente que eles fizeram no Hemorio – segundo Luiza, o alcance a públicos de hospitais e asilos é um dos objetivos do Programa.  

Apesar de já dar muitos frutos desde sua fundação, as expectativas encima do que o filme poderá proporcionar para o programa são as melhores. 

“Tem muito campo para crescer ainda. A gente já tem um histórico de parcerias internacionais com o governo da Noruega e com a Orquestra de Sopros alemã Jugge. No ano passado, recebemos a orquestra alemã inteira aqui e, agora, a meta é mandar a nossa para a Alemanha”, conta Luiza, que ressalta as aspirações do programa. “Por enquanto é um sonho, mas, cada vez mais, temos tido incentivo para que a Orquestra Sinfônica se consolide como um grupo autônomo, para que possamos pagar os alunos e ter um programa de turnê em outros estados e regiões, especialmente para incentivar cada vez mais outros jovens a estudarem música. É muito inspirador quando um jovem vê outro da mesma idade participando de uma orquestra. A gente quer isso. Que, através da música, eles possam mudar suas perspectivas de vida”.

O Reserva Cultural fica na Avenida Visconde do Rio Branco, 880, São Domingos, em Niterói. Segunda (06/12) às 12h. Preço: R$ 25,00 (inteira). Classificação: Livre. Telefone: 3604-1545.

Fonte: http://www.ofluminense.com.br